fbpx

Vamos embarcar nessa juntos?
Certamente será um tempo de muito crescimento e discernimento da parte de Deus!

 

PARA PARTICIPAR DO JEJUM, CLIQUE NO BOTÃO ABAIXO E FAÇA A SUA INSCRIÇÃO 

(não será necessário nenhum investimento financeiro, apenas disposição para crescer e ser alargado em fé).

MAS VOCÊ TEM CLAREZA DO QUE É O JEJUM?


A compreensão correta do jejum é basicamente uma questão de perspectiva. Se a perspectiva está errada, tudo se torna um erro. Há pessoas que não são maduras o suficiente para jejuar. Na verdade, elas nem podem jejuar, porque concebem o jejum de forma carnal. Algumas pessoas fazem do jejum uma obra da lei. Pensam que serão aceitas pelo muito jejuar ou se sentem condenadas quando não jejuam. Isso é ruim, mas não devemos deixar de jejuar porque alguns usam o jejum de forma legalista. Na verdade, ele pode ser definido como oração intensificada. 
 
Se precisamos orar, então é certo que também precisamos jejuar. O jejum, certamente, faz parte da vida de um discípulo de Cristo. O jejum é uma poderosa arma espiritual contra o inferno e um grande instrumento para edificar nossa fé e ver o poder de Deus liberado. Jejuar não é simplesmente ficar sem comer. Isso é dieta ou passar fome, mas não é jejum. Ele também não é algum tipo de penitência praticada por fanáticos, nem é algo para ser feito apenas por monges que vivem trancados em algum mosteiro. Falando de maneira simples, o jejum é abster-se de comida para um propósito espiritual. E ele anda de braço dado com a oração. Sem oração, o jejum perde o seu sentido espiritual.  

MAS VOCÊ TEM CLAREZA DO QUE É O JEJUM?

 
O texto de Jesus em Mateus 6 (a partir do versículo 16), nos fala sobre a prática do jejum, e ele vem acompanhado do ensino sobre oração e oferta. Será que já passou pela cabeça de algum líder religioso a ideia de que a oração e a oferta sejam opcionais? Então, por que o jejum seria? 
 
Não era intenção do Senhor desprezar ou rejeitar o jejum. Sua intenção era restaurá-lo à sua forma adequada. Jesus disse que depois que o Noivo fosse tirado, os discípulos jejuariam (Mt 9:15). Esta é a mais importante declaração sobre se os cristãos devem ou não jejuar. 
 
Não podemos dizer que Cristo nos tenha ordenado que jejuemos, mas está evidente que Ele espera que o façamos. O apóstolo Paulo também recomenda a prática do jejum na nova aliança (2Co 6:4-5), além desta ser uma realidade na igreja primitiva (At 13:2-3).  
 
No entanto, quando Jesus tratou do jejum, Ele se preocupou com os motivos (Mt 6:16-18). Não podemos pensar que o jejum tenha o poder de mudar a Deus ou forçá-Lo a fazer algo que já disse que não faria. É necessário entender que o jejum está centrado em Deus. 
 
Neste âmbito podemos ver dois exemplos: a profetisa Ana adorava com jejum (Lc 2:37), e os profetas e mestres de Antioquia também jejuavam (At 13:2). Deus nos pergunta para que jejuamos (Zc 7:5). A verdade é que, através do jejum nos libertamos de coisas que tentam nos escravizar (1Co 6:12), aprendemos a disciplinar nosso corpo (1Co 9:27) e é uma forma de nos humilharmos diante de Deus (Sl 35:13).